Entenda como o sal afeta a pressão, o coração, os rins e piora o Lipedema

 

 

Modificar a ingestão de sal pode afetar sua saúde e longevidade.

 

excesso-de-sal-prejudicial-saude-rins-coracao-lipedema-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular
A ingestão excessiva de sal causa aumento da pressão arterial, gerando lesões no coração e rins, além de piorar o Lipedema.

 

Quando falamos de sal, quase todos sabem que ele aumenta a pressão arterial e piora a saúde do coração. Mas, poucas pessoas lembram dos rins e menos pessoas ainda sabem o que é Lipedema, embora acometa 11% das mulheres.

A ingestão excessiva de sal causa aumento da pressão arterial, gerando lesões no coração e rins a longo prazo, além de piorar a inflamação da gordura do Lipedema, aumentando a retenção de inflamação nas pernas, podendo acarretar no aumento de peso superior a 1 quilo de um dia para outro.

Os rins filtram mais de 120 litros de sangue por dia. Eles puxam toxinas e fluidos indesejados de células por todo o corpo e os enviam para a bexiga para serem excretados através da urina. Comer muito sal pode tornar mais difícil para os rins removerem o líquido, que, então, se acumula no sistema e aumenta a pressão arterial.

Um recente estudo evidenciou que a concentração de sódio é elevada na pele e no tecido adiposo subcutâneo em mulheres com Lipedema.

excesso-de-sal-piora-lipedema-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular
Quando a mulher com Lipedema ingere muito sal, o excesso vai para as pernas.

“A gordura do Lipedema puxa e retém muita inflamação do corpo e fica tudo nas pernas. Ela tem um efeito protetor na saúde no geral. Por isso, a pessoa apresenta exames de colesterol, triglicérides, diabetes, insulina e proteínas inflamatórias normais. Mas, quando a mulher com Lipedema ingere muito sal, o excesso vai para as pernas, sobrecarregando menos os rins, mas aumentando a retenção de líquido e acúmulo da inflamação nas pernas. Isso gera uma aumento de volume e inflamação a longo prazo, que diminui a oxigenação dos tecidos, gerando piora da dor e celulite, com aumento de peso e acúmulo de gordura local, além de dificultar a retirada da inflamação. O excesso de sal é um veneno para todos”, alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular especialista em Lipedema, que atende em São Paulo, Campinas e a distância. 

LEIA TAMBÉM: Lipedema: 5 alimentos que inflamam e devem ser evitados

LEIA TAMBÉM: As 10 perguntas mais frequentes sobre Lipedema

Com o tempo, a ingestão excessiva de sal pode causar pressão alta (hipertensão), que enrijece e estreita os vasos sanguíneos. Com isso, o fluxo de sangue e de oxigênio para os órgãos principais diminui. Assim, o coração se esforça mais para bombear o sangue por todo o corpo, o que aumenta ainda mais a pressão arterial.

A pressão arterial elevada, especialmente por um longo período de tempo, sobrecarrega o coração. Isso pode aumentar a câmara de bombeamento esquerda do coração e enfraquecer o músculo cardíaco, causando insuficiência cardíaca.

A hipertensão não controlada também pode danificar as paredes das artérias, que começam a acumular gordura, causando doenças cardíacas e, potencialmente, ataque cardíaco ou derrame.

excesso-de-sal-ataque-cardiaco-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular
Com o tempo, a ingestão excessiva de sal pode causar pressão alta e, consequentemente, doenças cardíacas.

LEIA TAMBÉM: 5 dicas diárias para manter o coração saudável

LEIA TAMBÉM: Como fortalecer o coração?

A hipertensão exerce pressão extra sobre as unidades de filtragem dos rins, o que pode causar cicatrizes. Isso prejudica a capacidade dos rins de regular os fluidos, o que aumenta a pressão arterial.

Se este ciclo não for interrompido, pode levar à doença renal e insuficiência renal. Pressão alta e diabetes não controladas são as causas mais comuns de doença renal.

As únicas pessoas que têm uma proteção natural para isso são as mulheres com Lipedema, mas elas também inflamam e pioram com a ingestão de sal.

Infelizmente, a grande maioria das pessoas com doença renal não percebe que a tem.

Como evitar o consumo excessivo de sal?

O consumo médio de sal pelas pessoas é 48% maior do que o recomendado.

Um estudo identificou a relação entre consumo de sódio, adiposidade e inflamação em adolescentes saudáveis e evidenciou que a alta ingestão de sódio está positivamente associada à adiposidade, leptina e fator de necrose tumoral ( TNF-a), independente da ingestão total de energia e do consumo de refrigerantes.

Infelizmente, o consumo médio de sódio dos adolescentes é tão alto quanto o de adultos e mais que o dobro da ingestão diária recomendada pelas sociedades médicas.

Também é importante lembrar que a maior parte do sódio na alimentação das pessoas (cerca de 80%) está nos alimentos processados e embalados.

Alimentos ricos em sódio:

  • Refeições congeladas;
  • Alimentos enlatados ou em conserva;
  • Sopas em pacote (média de 750 mg de sódio por porção);
  • Salgadinhos;
  • Carne seca ou curada (média de 578 mg de sódio);
  • Queijos;
  • Condimentos, molhos, caldos em tablete;
  • Embutidos;
  • Pães (até 250 mg de sódio por pão);
  • Pizza  (até 760 mg de sódio por fatia);
  • Cereais;
  • Refrigerantes (incluindo o diet).
  • Águas alcalinas e algumas águas minerais.

Dica

Verificar os rótulos é a única maneira de saber quanto de sódio há no alimento. Tem muita água no mercado rica em sódio. Se você comprar comida embalada ou processada, escolha as que sejam “sem sódio” ou com “baixo teor de sódio”. Lembre-se que a quantidade indicada no rótulo faz referência a uma determinada porção. Ou seja, se você comer mais, consumirá mais sal.

LEIA TAMBÉM: 7 dicas para cortar o sal da alimentação

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.