coronavirus-trombose-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas

Coronavírus e trombose: o que todo mundo precisa saber!

Coronavírus e trombose: o que todo mundo precisa saber!
5 (100%) 12 votes

 

coronavirus-trombose-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
A trombose já é a principal causa de morte em hospitais e ela atinge mais os pacientes com o coronavírus. (imagem freepik)

 

Pacientes com Covid-19 internados nos hospitais têm um risco relatado muito alto de tromboembolismo venoso (TEV) e trombose microvascular. Em alguns hospitais há relatos de 50%. Portanto, universalmente, deve-se realizar profilaxia medicamentosa, a menos que haja uma contra-indicação absoluta.

A trombose já é a principal causa de morte em pacientes hospitalizados e ela atinge mais os pacientes com o coronavírus. A avaliação de risco na admissão é importante para identificar quem tem alto risco com múltiplos fatores antes do início da infecção viral. Nestas pessoas pode ser necessário um aumento da dose de anticoagulação. Nestes casos, recomenda-se que seja administrado o dobro da dose.

“Não existem estudos randomizados para substanciar essa prática, porém a tendência destes pacientes de alto risco para desenvolver eventos trombóticos fatais e não fatais, além de riscos trombóticos associados ao vírus, parecem justificar essa abordagem. Temos relatos aqui no Brasil de alta incidência de trombose, mesmo com profilaxia nas doses habituais”, salienta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo e em Campinas.

Quando os pacientes recebem alta hospitalar, alguns ainda permanecem com um risco alto de trombose (escore de Caprini > 8). Neles seria mais adequado manter uma profilaxia de trombose mais prolongada, aproveitando os novos anticoagulantes orais.

Sabemos que os serviços públicos de saúde estão sobrecarregados e esta avaliação pode ser difícil de ser feita, mas o médico de confiança que acompanha a pessoa pode fazer essa estratificação.

escore-caprini-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas

A realização de exames de sangue durante a internação hospitalar ajudará a avaliar a progressão clínica e as alterações no status hematológico. A literatura mostra que os níveis de dímero-D tendem a seguir a gravidade da doença e são um marcador de pior resultado clínico, devendo, portanto, serem monitorados durante a hospitalização.

LEIA TAMBÉM: Você tem algum familiar com trombose?

LEIA TAMBÉM: Entenda os abalos psicológicos causados pela trombose

Quando o exame de ultrassom doppler venoso deve ser realizado em pacientes com Covid-19?

ultrassom-doppler-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
Exame de ultrassom doppler venoso.  (imagem cura.com.br)

A indicação do exame deve ser semelhante aos pacientes que não têm o coronavírus, ou seja, pessoas que apresentam inchaço, dor e vermelhidão nas pernas. Mas, alguns serviços têm feito em todos os pacientes com diagnóstico confirmado do vírus.

Os pacientes com dímero-D normal não precisam realizar o exame, devido à alta sensibilidade deste procedimento para detectar a trombose. 

Pacientes com marcadores graves da doença, que seriam tratados com anticoagulação, não devem ser submetidos ao exame de ultrassom doppler, a menos que exista outra pergunta específica que a informação seja usada para responder.

Quais pacientes com Covid-19 devem ser considerados para anticoagulação terapêutica?

anticoagulantes-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
Anticoagulantes para diminuir os níveis de dímero-D. (imagem abril)
  • A literatura limitada mostra que pacientes com Covid-19 que morrem têm uma alta incidência de TEV.

Níveis elevados de dímero-D têm sido associados ao aumento da mortalidade geral e a administração de anticoagulantes parecem diminuir os níveis de dímero-D. Estudos de necrópsia mostraram que os pacientes desenvolvem trombose microvascular nos órgãos terminais (pulmões, rins etc.) que podem contribuir para a falência de órgãos multi-sistema.

  • Se um paciente estiver em anticoagulação antes da admissão, recomenda-se continuar (a menos que haja complicações hemorrágicas).
  • Deve-se considerar a anticoagulação terapêutica em pacientes com dímero-D elevado. O corte do dímero-D é arbitrário, com alguns centros usando um corte de três vezes o normal (ajustado para a idade), enquanto outros usam um corte numérico > 3.000 ng / ml.

Dados ainda limitados mostraram que os pacientes tratados com anticoagulação apresentam uma diminuição nos níveis de dímero-D, clinicamente apresentam uma evolução melhor e têm uma mortalidade mais baixa do que aqueles que não são anticoagulados. 

Na literatura disponível, o uso de anticoagulação terapêutica em pacientes com Covid-19 não foi associado a uma alta taxa de complicações hemorrágicas graves. Dada a rápida curva de aprendizado relacionada ao tratamento de pacientes gravemente afetados com coronavírus, essas considerações podem mudar à medida que novas informações surgem.

Qual anticoagulante usar?

A heparina não fracionada é geralmente preferida devido à rápida reversibilidade. Ela é administrada na veia com uso de bombas de infusão.

A heparina de baixo peso molecular também pode ser considerada e pode ser preferida devido às propriedades anti-inflamatórias. Ela é administrada no subcutâneo.

Argatroban ou Fondaparinux podem ser usados em pacientes com evidência de trombocitopenia induzida por heparina.

Não é recomendado o uso de anticoagulantes orais durante internação hospitalar.

O que fazer após a alta hospitalar?

Coronavirus-Alta-hospitalar-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
Anticoagulante após alta hospitalar. (imagem freepik)
  • Se houver um evento trombótico documentado (venoso ou arterial), o tratamento deve ser mantido por no mínimo seis meses. Não recomenda-se o uso de cumarínicos devido a dificuldade de controle da dose.
  • Pacientes com alto risco de trombose (obesidade mórbida, escore de Caprini> 8) devem receber alta com dose regular de profilaxia química por seis semanas.
  • Recomenda-se o uso de medicações orais a injetáveis devido a facilidade de administração.

LEIA TAMBÉM: O uso de meia elástica previne complicações da trombose?

LEIA TAMBÉM: 5 dicas para melhorar o seu sistema imunológico

LEIA TAMBÉM: Exercício regular pode prevenir SDRA: uma das principais causas da Covid-19

LEIA TAMBÉM: Vitamina D pode ajudar prevenir infecções respiratórias?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Referências

  1. Wu C, Chen X, Cai Y, Xia J, Zhou X, Xu S et al. Risk factors associated with acute respiratory distress syndrome and death in patients with coronavirus disease 2019 pneumonia in Wuhan, China. JAMA Intern Med. 2020:e200994. Doi: 10.1001
  2. Zhang T, Sun LX, Feng RE. Comparison of clinical and pathological features between severe acute respiratory syndrome and coronavirus disease 2019. Zhonghua Jie He He Hu Xi Za Zhi. 2020;43(0):E040. Doi:10.3760/cma.j.cn112147-20200311-00312
  3. Klok FA, Kruip MJHA, van der Meer NJM, Arbous MS, D.A.M.P.J. Gommers DAMPJ,

Kant KM, et al. Incidence of thrombotic complications in critically ill ICU patients with COVID-19 .

Thromb Res 2020: In press 4. Cronin M, Dengler N, Krauss ES, Segal A, Wei N, Daly M,et al. Completion of the Updated Caprini Risk Assessment Model (2013 Version).Clin Appl Thromb Hemost 2019;25: 1-10.

  1. Thachil J. The Versatile Heparin in COVID-19. J Thromb Haemost 2020. Doi: 0.1111/jth.14821.
  2. Huang C, Wang Y, Li X, Ren L, Zhao J, Hu Y, et al. Clinical features of patients infected with 2019 novel coronavirus in Wuhan, China. Lancet 2020;395:497–506.
  3. Wang D, Hu B, Hu C, Zhu F, Liu X, Zhang J, et al. Clinical characteristics of 138 hospitalized patients with 2019 novel coronavirus-infected pneumonia in Wuhan, China. JAMA 2020. Doi:

10.1001/jama.2020.1585 8. Zhou F, Yu T, Du R, Fan G, Liu Y, Liu Z, et al. Clinical course and risk factors for mortality of adult inpatients with COVID-19 in Wuhan, China: a retrospective cohort study. Lancet 2020;395:1054-1062.

  1. Tang N, Li D, Wang X, Sun Z. Abnormal coagulation parameters are associated with poor prognosis in patients with novel coronavirus pneumonia. J Thromb Haemost 2020;18:844-847.
  2. Lippi G, Favaloro EJ. D-dimer is Associated with Severity of Coronavirus Disease 2019: A Pooled Analysis. Thromb Haemost 2020. PMID: 32246450 DOI: 10.1055/s-0040-1709650
  3. Tang N, Bai H, Chen X, Gong J, Li D, Sun Z. Anticoagulant treatment is associated with decreased mortality in severe coronavirus disease 2019 patients with coagulopathy. J Thromb Haemost 2020 Doi: 10.1111/jth.14817.

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.