Descubra onde o sal está escondido na sua alimentação

Descubra onde o sal está escondido na sua alimentação
5 (100%) 2 votes

 

Além de fazer mal para a pressão, ele piora o lipedema e a celulite

 

sal-sodio-alimentacao-saude-pressao-arterial-lipedema-celulite-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
O consumo diário indicado de sal é de 2 gramas, porém estima-se que a média atual seja de 3,4 gramas por dia.

 

Diversos estudos mostram que reduzir o sal na dieta diminui a pressão arterial, que, quando alta, representa a principal causa de derrame, insuficiência cardíaca e outros problemas sérios de saúde.

O Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo e em Campinas, explica que, além de ser o grande vilão para a pressão arterial, o sódio também piora o lipedema e a celulite.

“As pacientes com celulite e lipedema têm muitas características em comum: ambas apresentam relação com alterações hormonais e retenção de sódio. Apesar de os hormônios serem difíceis de controlar, a retenção de sódio pode ser facilmente controlada e melhora muito o aspecto e inflamação das duas doenças. Em algumas pessoas, o tratamento é mais difícil, pois elas mantêm um consumo exagerado de sal, muitas vezes sem perceber”, explica.

LEIA TAMBÉM: Celulite e lipedema: como melhorar os sintomas e a aparência da pele

LEIA TAMBÉM: Dieta cetogênica emagrece e melhora o lipedema

LEIA TAMBÉM: Você sabia que a cavalinha melhora as celulites e o lipedema?

O consumo diário indicado é de 2 gramas de sódio, incluindo o que for utilizado para temperar a comida. No entanto, estima-se que a média atual seja de 3,4 gramas por dia, ou seja, 48% maior que o limite recomendado.

Além disso, muitas pessoas acreditam que outras opções de sal, como marinho e himalaia sejam saudáveis, pois normalmente eles são comercializados como alternativa “natural”. Porém, as principais diferenças estão apenas no sabor, na textura e no processamento.

Para esclarecer:

  • O sal marinho tem a mesma quantidade de sódio que o sal de mesa;
  • O sal do himalaia tem metade do sódio do sal de mesa, mas apresenta-o da mesma forma.

Também é importante lembrar que a maior parte do sódio na alimentação das pessoas (cerca de 80%) está nos alimentos processados e embalados.

Alimentos ricos em sódio:

  • Refeições congeladas;
  • Alimentos enlatados ou em conserva;
  • Sopas em pacote (média de 750mg de sódio por porção);
  • Salgadinhos;
  • Carne seca ou curada (média de 578mg de sódio);
  • Queijos;
  • Condimentos e molhos;
  • Embutidos;
  • Pães (até 250mg de sódio por pão);
  • Pizza  (até 760mg de sódio por fatia);
  • Cereais;
  • Refrigerantes (incluindo o diet).

LEIA TAMBÉM: 5 dicas essenciais para comer melhor

Dica

Verificar os rótulos é a única maneira de saber quanto de sódio há no alimento. Se você comprar comida embalada ou processada, escolha as que sejam “sem sódio” ou com “baixo teor de sódio”. Lembre-se que a quantidade indicada no rótulo faz referência a uma determinada porção. Ou seja, se você comer mais, consumirá mais sal.

“É importante salientar que todas as pessoas se beneficiam com a redução do consumo de sódio, mas as mulheres com lipedema são as mais sensíveis. Elas podem chegar a ganhar 2 quilos de peso em um fim de semana se comerem algo muito salgado, como feijoada ou churrasco, por exemplo. Por isso, elas se sentem realmente inchadas”, adverte o Dr. Daniel Benitti.

E você? Vai começar a prestar atenção na quantidade de sal que ingere diariamente?

LEIA TAMBÉM: A importância do check-up vascular

LEIA TAMBÉM: O que o angiologista e cirurgião vascular trata?

LEIA TAMBÉM: O que esperar de uma consulta vascular?

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.