dieta-cetogenica-beneficios-saude-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sp-campinas-lipedema

Dieta cetogênica: vale a pena fazer?

Dieta cetogênica: vale a pena fazer?
5 (100%) 5 votes

 

dieta-cetogenica-beneficios-saude-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sp-campinas-lipedema
As refeições da dieta cetogênica contêm 70 ou 80% de gordura, cerca de 20% de proteína e aproximadamente 5% de carboidratos. (imagem minutosaudavel)

 

A dieta cetogênica é um plano alimentar rico em gordura e baixo teor de carboidratos que tem sido usado há séculos para tratar condições médicas específicas. No século 19, a dieta cetogênica era comumente usada para ajudar a controlar o diabetes. Em 1920, foi introduzida como um tratamento eficaz para a epilepsia em crianças para as quais a medicação era ineficaz. Ela também foi testada e usada em ambientes monitorados de perto para câncer, diabetes, síndrome dos ovários policísticos e doença de Alzheimer.

A dieta cetogênica está recebendo atenção considerável como uma estratégia potencial de perda de peso devido à mania da dieta de baixo teor de carboidratos, que começou na década de 1970 com a dieta de Atkins (rica em proteínas e muito baixo teor de carboidratos, que foi um sucesso comercial e popularizou para um novo nível de dietas com baixo teor de carboidratos).

Hoje, outras dietas de baixo teor de carboidratos, incluindo as dietas Paleo, South Beach e Dukan, são todas ricas em proteínas, mas moderadas em gordura. Em contraste, a dieta cetogênica é essencialmente uma dieta rica em gorduras – as refeições contêm 70 ou 80% de gordura, cerca de 20% de proteína e aproximadamente 5% de carboidratos.

“A premissa da dieta cetogênica para perda de peso é que se você priva o corpo de glicose – a principal fonte de energia para todas as células do corpo, que é obtida comendo alimentos com carboidratos – um combustível alternativo chamado cetona é produzido a partir da gordura armazenada ( assim, o termo “ceto” -gênico). Quando você faz isso, coisas interessantes acontecem: o seu metabolismo acelera, a sua fome vai embora, a sua massa muscular aumenta, a sua pressão arterial e o perfil de risco de doenças cardiovasculares melhoram e a gordura do Lipedema reduz bastante”, explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular especialista em Lipedema, que atende em São Paulo, Campinas e, no momento, a distância. 

LEIA TAMBÉM: Lipedema: 5 alimentos que inflamam e devem ser evitados

LEIA TAMBÉM: Sal: o inimigo de todos, principalmente se você tem Lipedema

O cérebro demanda mais glicose em um suprimento constante, cerca de 120 gramas por dia, pois não pode armazenar glicose. Durante o jejum, ou quando muito pouco carboidrato é ingerido, o corpo primeiro puxa a glicose armazenada do fígado e, temporariamente, quebra o músculo para liberar a glicose. Se isso continuar por 3-4 dias e a glicose armazenada estiver totalmente esgotada, os níveis sanguíneos de um hormônio chamado insulina diminuem e o corpo começa a usar a gordura como principal combustível. O fígado produz corpos cetônicos a partir da gordura, que podem ser usados na ausência de glicose.

Quando os corpos cetônicos se acumulam no sangue, isso é chamado de cetose. Indivíduos saudáveis experimentam naturalmente cetose leve durante os períodos de jejum (por exemplo, dormir durante a noite) e exercícios muito extenuantes. Os defensores da dieta cetogênica afirmam que, se a dieta for cuidadosamente seguida, os níveis sanguíneos de cetonas não devem atingir um nível prejudicial (conhecido como “cetoacidose”), pois o cérebro usará cetonas como combustível e indivíduos saudáveis normalmente produzirão insulina suficiente para prevenir formação de cetonas excessivas. A rapidez com que ocorre a cetose e o número de corpos cetônicos que se acumulam no sangue varia de pessoa para pessoa e depende de fatores, como porcentagem de gordura corporal e taxa metabólica de repouso. 

A evolução natural permitiu que os nossos corpos se adaptassem a tempos de abundância ou escassez, mudando do metabolismo dos carboidratos para o metabolismo das gorduras.

Quando encontrávamos muitas frutas silvestres, armazenávamos os carboidratos como gordura da barriga. Mais tarde, em tempos de vacas magras, usaríamos a gordura como fonte reserva de combustível.

A dieta cetônica pode ser uma intervenção poderosa. Um estudo recente descobriu que estar na dieta cetônica por um ano reverteu o diabetes dos participantes em até 60%. Com uma perda média de peso de 13 quilos, eles reduziram ou eliminaram drasticamente a necessidade de insulina e não precisaram mais de medicamentos hipoglicêmicos orais.

dieta-cetogenica-beneficios-saude-perda-peso-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sp-campinas-lipedema
A dieta cetogênica causa perda de peso importante.

“As mulheres com Lipedema que apresentam um IMC acima de 35 ou pessoas com resistência à insulina sem diabetes tipo 2 se beneficiam muito da dieta cetogênica. Ela pode ser usada como uma estratégia de curto prazo para reiniciar o metabolismo. Ninguém precisa segui-la para sempre. Por ser restritiva é difícil de seguir a longo prazo, mas é uma dieta segura que começou a ser utilizada em 1920 em crianças para tratar epilepsia”, indica o Dr. Daniel Benitti. 

Também estamos vendo benefícios em outras condições neurológicas. Um recente estudo sugere que a dieta cetônica pode trazer melhorias para quem tem doença de Alzheimer, autismo ou cânceres cerebrais, como glioblastoma.

Mas, vale lembrar que a dieta cetogênica é uma dieta médica ou terapêutica. Portanto, embora seja extremamente benéfico para pessoas com certas condições, não é para todos.

Cuidados

Seguir uma dieta rica em gordura pode ser difícil de manter. Os possíveis sintomas de restrição extrema de carboidratos que podem durar de dias a semanas incluem fome, fadiga, mau humor, irritabilidade, constipação, dores de cabeça e mau hálito. Embora esses sentimentos desconfortáveis possam diminuir, ficar satisfeito com a variedade limitada de alimentos disponíveis e ser impedido de comer alimentos agradáveis, como uma maçã, pode apresentar novos desafios.

Alguns efeitos colaterais negativos de uma dieta cetogênica de longo prazo foram sugeridos, incluindo aumento do risco de pedras nos rins e osteoporose, e aumento dos níveis sanguíneos de ácido úrico (um fator de risco para gota).

Além disso, possíveis deficiências de nutrientes podem surgir se uma variedade de alimentos recomendados na dieta cetogênica não forem incluídos. É importante não se concentrar apenas em comer alimentos ricos em gordura, mas incluir uma variedade diária de carnes, peixes, vegetais, frutas, nozes e sementes permitidas para garantir a ingestão adequada de fibras, vitaminas B e minerais (ferro, magnésio, zinco) – nutrientes normalmente encontrados em alimentos como grãos integrais, que não estão incluídos na dieta. 

A dieta cetogênica pode ser uma opção para algumas pessoas que tiveram dificuldade em perder peso com outros métodos ou precisam perder peso mais rapidamente.

A proporção exata de gordura, carboidrato e proteína necessária para obter benefícios para a saúde varia entre os indivíduos devido à sua composição genética e composição corporal. Portanto, se alguém optar por iniciar uma dieta cetogênica, é recomendável consultar um médico e uma nutricionista para monitorar de perto quaisquer alterações bioquímicas após o início do regime e para criar um plano de alimentação que seja adaptado às condições de saúde existentes, prevenindo deficiências nutricionais ou outras complicações de saúde. Uma nutricionista também pode fornecer orientação sobre a reintrodução de carboidratos, uma vez que a perda de peso seja alcançada.

LEIA TAMBÉM: Azeite ou óleo de coco: qual é melhor para a sua saúde?

LEIA TAMBÉM: Corte o açúcar em 10 dias!

LEIA TAMBÉM: 5 receitas para matar a vontade de comer doce sem sair da dieta!

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.