trombose-coronavirus-hormonios-covid-19-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular

Hormônios, trombose e coronavírus: tudo o que você precisa saber

 

trombose-coronavirus-hormonios-covid-19-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular
A conexão entre trombose e coronavírus criou um novo conjunto de preocupações para muitas mulheres. (imagem freepik)

 

Desde março deste ano não falamos de outro assunto a não ser do coronavírus. A mortalidade do vírus diminuiu muito depois que foi evidenciada a presença de trombose vascular que causava insuficiência respiratória. A primeira médica a observar isso foi a pneumologista Elnara Marcia Negri. Ela identificou que nos casos graves, o problema não estava no pulmão, mas sim nos vasos sanguíneos. Graças a esta descoberta o tratamento com heparina é protocolo nos pacientes graves. Esta descoberta foi publicada na revista Science. No entanto, a conexão entre Covid-19 e coágulos sanguíneos criou um novo conjunto de preocupações para as mulheres que estão grávidas, tomando anticoncepcionais, fazendo terapia hormonal ou que já tiveram trombose.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus e trombose: o que todo mundo precisa saber

Mas, há uma razão para abandonar os comprimidos, adesivos, géis ou evitar a gravidez?

Primeiramente, precisamos identificar o que é trombose.

A trombose é caracterizada por coágulos sanguíneos que se formam nas veias ou artérias. Eles se originam quando o sangue muda de líquido para parcialmente sólido. Embora a coagulação seja um processo normal, os coágulos podem ser perigosos quando não se dissolvem por conta própria. A trombose é mais comum de ocorrer nas veias das pernas, mas pode acontecer em qualquer região do corpo.

LEIA TAMBÉM: Entenda os abalos psicológicos causados pela trombose

Anticoncepcionais

Se você faz uso de algum anticoncepcional, já ouviu os avisos sobre o risco de trombose. 

“Os anticoncepcionais, principalmente os que contêm estrogênio, podem aumentar o risco de trombose, embora o risco absoluto na população em geral permaneça baixo. O pensamento é que esses hormônios podem afetar alguns fatores de coagulação produzidos pelo fígado, que por sua vez, podem promover o desenvolvimento de coágulos sanguíneos. Quanto mais artificial e potente o anticoncepcional, maior o risco de trombose. O uso prolongado e a associação com outros fatores de risco, como obesidade, tabagismo, varizes e sedentarismo aumentam ainda mais o risco de trombose. As mulheres com Lipedema não têm um risco maior de trombose, mas os anticoncepcionais pioram muito a inflamação do Lipedema”,  alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular especialista em Lipedema que atende em São Paulo, Campinas e a distância.

Pílulas anticoncepcionais, injeções, implantes e dispositivos intrauterinos contendo apenas progesterona têm um risco menor de coágulos sanguíneos associados do que as formas que têm uma combinação de estrogênio ou estrogênio-progesterona.

As formas orais de estrogênios tendem a estar associadas a taxas mais altas de coágulos sanguíneos do que outras formas de estrogênio (adesivos ou cremes).

Doses mais altas de estrogênio, mudanças de dosagem com medicamentos hormonais ou início da terapia hormonal também podem acarretar um risco maior.

LEIA TAMBÉM: Afinal, anticoncepcionais aumentam o risco de trombose?

LEIA TAMBÉM: Como reduzir o hormônio do estresse em tempos de coronavírus?

As gestantes devem se preocupar?

As flutuações hormonais durante a gravidez podem causar problemas de coagulação. No entanto, as chances são muito baixas para mulheres que não têm histórico de trombose.

“As mulheres com antecedente de trombose ou com familiares de primeiro grau com a doença que planejam engravidar devem consultar um cirurgião vascular que esteja familiarizado com o assunto. Pode ser necessário administrar medicamentos para afinar o sangue durante a gestação, como profilaxia”,  indica o Dr. Daniel Benitti.

LEIA TAMBÉM: Como diminuir o risco de trombose durante a gravidez?

Trombose e coronavírus

Ainda não sabemos exatamente o motivo da relação da trombose e coronavírus, ou seja, de a Covid-19 causar trombose. Provavelmente é devido ao aumento da resposta inflamatória causada pelo vírus que lesa a parede interna dos vasos sanguíneos e aumenta a agregação de plaquetas. O risco de coágulos sanguíneos está provavelmente relacionado a uma combinação de como o corpo reage ao vírus (inflamação, lesão vascular, mudanças nos fatores de coagulação, etc.) e imobilização em pacientes hospitalizados que tenham Covid-19.

Dessa forma, não podemos dizer que, se você estiver sob medicação hormonal ou grávida, terá maior risco de coágulos sanguíneos se contrair o coronavírus. Por isso, não pare nenhuma medicação ou tome qualquer atitude sem conversar antes com o seu médico de confiança.

Embora preocupante, não está exatamente claro se os coágulos sanguíneos são comuns em pessoas que têm casos leves de Covid-19. Os pesquisadores ainda estão estudando como o coronavírus afeta o corpo e as formas de tratamento.

De qualquer forma, o risco de trombose pode ser reduzido com atividade física regular, uma alimentação saudável e controle do peso. Também é importante realizar os exames de câncer apropriados para a idade, como mamografias, exames de Papanicolaou e colonoscopias. Parar de fumar também pode ajudar a reduzir o risco de trombose e muitos outros problemas de saúde.

Lembrando que ainda é importante seguir as orientações sobre distanciamento social, higiene das mãos e uso de máscara para reduzir o risco de exposição à Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Use máscara mesmo sem sintomas da Covid-19

LEIA TAMBÉM: Vivendo o novo normal: como se adaptar à nova realidade imposta pelo coronavírus?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.