jejum-intermitente-beneficios-saude-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas

Jejum intermitente: o que é e quais os efeitos na saúde, envelhecimento e doenças crônicas

 

jejum-intermitente-beneficios-saude-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
Combinar a dieta do mediterrâneo com o jejum intermitente traz muitos benefícios para a saúde. (imagem farmacialisboa)

 

O primeiro artigo científico sobre o jejum intermitente foi publicado em 1997. Segundo os autores, reduzir a disponibilidade de alimentos ao longo da vida (restrição calórica) tinha efeitos notáveis no envelhecimento e na longevidade dos animais. Eles propuseram que os benefícios da restrição calórica à saúde resultavam de uma redução passiva na produção de radicais livres. 

Desde então, centenas de estudos em animais e dezenas de estudos clínicos de regimes de jejum intermitente controlados foram conduzidos, nos quais a mudança metabólica de glicose derivada do fígado para cetonas derivadas de células adiposas ocorrem diariamente ou vários dias por semana. 

Embora a magnitude do efeito do jejum intermitente na extensão do tempo de vida seja variável (influenciada pelo sexo, dieta e fatores genéticos), estudos em camundongos e primatas não humanos mostram efeitos consistentes da restrição calórica na vida útil do ser.

Estudos em animais e humanos mostraram que muitos dos benefícios para a saúde do jejum intermitente não são simplesmente o resultado da redução da produção de radicais livres ou perda de peso. Em vez disso, o jejum intermitente provoca respostas celulares adaptativas evolutivamente conservadas que são integradas entre e dentro dos órgãos de uma maneira que melhora a regulação da glicose, aumenta a resistência ao estresse e suprime inflamação.

Durante o jejum, as células ativam vias que aumentam as defesas intrínsecas contra o estresse oxidativo e metabólico e aquelas que removem ou reparam moléculas danificadas. Durante o período de alimentação, as células se envolvem em processos de crescimento e plasticidade específicos dos tecidos. No entanto, a maioria das pessoas consome três refeições por dia mais lanches, logo o jejum intermitente não ocorre.

“Estudos pré-clínicos mostram consistentemente a robusta eficácia modificadora da doença causada pelo jejum intermitente em modelos animais em uma ampla gama de doenças crônicas, incluindo obesidade, diabetes, doenças cardiovasculares, cânceres e doenças cerebrais neurodegenerativas. Mudança periódica do interruptor metabólico não apenas fornece as cetonas que são necessárias para as células de combustível durante o período de jejum, mas também elicia respostas sistêmicas e celulares altamente orquestradas que passam para o estado alimentado para reforçar o desempenho mental e físico, bem como a resistência a doenças. Combinar a dieta do mediterrâneo com o jejum intermitente certamente traz muitos benefícios, principalmente para as mulheres com Lipedema”, explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular especialista em Lipedema, que atende em São Paulo, Campinas e, no momento, a distância.

LEIA TAMBÉM: Lipedema: se você não tem, conhece alguém que tem

LEIA TAMBÉM: Lipedema: conheça 5 alimentos que inflamam e devem ser evitados

LEIA TAMBÉM: Magnésio: conheça os benefícios desse super mineral, principalmente para quem tem Lipedema

Jejum intermitente e mudança metabólica

A glicose e os ácidos graxos são as principais fontes de energia das células. Após as refeições, a glicose é usada como energia e a gordura é armazenada no tecido adiposo como triglicerídeos. Durante os períodos de jejum, os triglicerídeos são quebrados em ácidos graxos e glicerol, que são usados como energia. O fígado converte ácidos graxos em corpos cetônicos, que fornecem uma importante fonte de energia para muitos tecidos, especialmente o cérebro, durante o jejum. No estado alimentado, os níveis sanguíneos de corpos cetônicos são baixos e, em humanos, eles aumentam em 8 a 12 horas após o início do jejum.

Em humanos, o jejum intermitente mais amplamente estudado é de 5:2 (jejum de 2 dias por semana) e alimentação diária com restrição de tempo.

Dietas que reduzem marcadamente a ingestão calórica em 1 dia ou mais a cada semana (por exemplo, uma redução para 500 a 700 calorias por dia) resultam em níveis elevados de corpos cetônicos nesses dias.

Os corpos cetônicos não são apenas combustível usado durante os períodos de jejum; são moléculas sinalizadoras potentes com efeitos importantes nas funções celulares e orgânicas. Os corpos cetônicos regulam a expressão e a atividade de muitas proteínas e moléculas que influenciam a saúde e o envelhecimento. Essas mudanças de caminhos celulares trazem benefícios que incluem melhorias na regulação da glicose, pressão arterial e frequência cardíaca; a eficácia do treinamento de resistência; perda de gordura abdominal, saúde cerebral e distúrbios psiquiátricos e neurodegenerativos.

Como fazer o jejum intermitente?

Apesar das evidências dos benefícios do jejum intermitente para a saúde e de sua aplicabilidade a muitas doenças, existem obstáculos para a adoção generalizada desses padrões alimentares para todos.

Em primeiro lugar, uma dieta de três refeições com lanches todos os dias está tão enraizada em nossa cultura que uma mudança neste padrão alimentar raramente será contemplada por pacientes ou médicos.

A abundância de alimentos e o amplo marketing de consumo alimentar também são grandes obstáculos a serem superados.

Em segundo lugar, ao mudar para um regime de jejum intermitente, muitas pessoas sentirão fome, irritabilidade e uma capacidade reduzida de concentração durante os períodos de restrição alimentar. No entanto, esses efeitos colaterais iniciais geralmente desaparecem em 1 mês (os pacientes devem ser avisados deste fato).

Terceiro, a maioria dos médicos não sabe prescrever intervenções alimentares, inclusive de jejum intermitente.

Os médicos podem aconselhar os pacientes a reduzirem gradualmente, ao longo de um período de vários meses, a janela de tempo durante a qual consomem alimentos a cada dia, com a meta de jejuar de 16 a 18 horas por dia. Alternativamente, os médicos podem recomendar a dieta de jejum intermitente 5: 2, com 900 a 1000 calorias consumidas 1 dia por semana durante o primeiro mês e, em seguida, 2 dias por semana durante o segundo mês, seguido por reduções adicionais para 750 calorias 2 dias por semana pelo terceiro mês e, finalmente, 500 calorias 2 dias por semana durante o quarto mês.

“É fundamental a avaliação e acompanhamento por nutricionista com conhecimento no assunto para o sucesso do tratamento! Além das orientações especializadas, é necessário garantir que as necessidades nutricionais da pessoa estão sendo atendidas e que estão sendo fornecidos aconselhamentos e educação de forma contínua”, alerta o Dr. Daniel Benitti.

Como acontece com todas as intervenções no estilo de vida, é importante que uma equipe multidisciplinar ofereça informações adequadas, comunicação e apoio contínuos, além de reforço positivo regular.

Embora não entendamos completamente os mecanismos específicos, os efeitos benéficos do jejum intermitente envolvem a mudança metabólica e a resistência celular ao estresse. No entanto, algumas pessoas não podem ou não querem aderir a um regime de jejum intermitente. Ao compreender melhor os processos que vinculam o jejum intermitente a amplos benefícios para a saúde, podemos desenvolver terapias farmacológicas direcionadas que imitam os efeitos do jejum intermitente sem a necessidade de alterar substancialmente os hábitos alimentares.

LEIA TAMBÉM: 7 alimentos que você deveria comer diariamente

LEIA TAMBÉM: 3 tipos de alimentos que você deve evitar e por quê

LEIA TAMBÉM: Azeite ou óleo de coco? Qual é melhor para a sua saúde?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.