obesidade-mulher-quer-engravidar-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas

Por que e como tratar a obesidade em mulheres jovens ou em idade reprodutiva?

 

obesidade-mulher-quer-engravidar-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
O controle de peso adequado pode beneficiar a mulher no período pós-parto e entre gestações.

 

A prevalência da obesidade está aumentando cada vez mais entre as mulheres em idade reprodutiva no Brasil e no mundo. Isso pode causar implicações para a saúde da gravidez. Quase 25% das mulheres que engravidam têm obesidade! Isso aumenta o risco de diabetes gestacional (DG) e distúrbios hipertensivos da gravidez (HDP), além de outras doenças.

O controle de peso adequado, mesmo que de forma mais agressiva, pode beneficiar a mulher no período pós-parto e entre gestações.

“As diretrizes de obesidade devem considerar especificamente mulheres em idade reprodutiva e seu histórico de gravidez, porque este estágio da vida é frequentemente o momento de maior ganho de peso, inclusive nas mulheres com Lipedema. Intervenções agressivas de perda de peso entre mulheres com obesidade podem reduzir complicações incidentes e recorrentes, e a exposição do útero à obesidade está associada à expressão gênica alterada e anormalidades metabólicas na prole. Assim, reduzir a obesidade entre as mulheres antes de engravidar pode ter um efeito intergeracional, contribuindo potencialmente para a menor incidência de obesidade infantil (fonte)”, alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo, Campinas e a distância. 

A última diretriz sobre o manejo do sobrepeso e da obesidade em adultos do American College of Cardiology, da American Heart Association e da The Obesity Society, exige um escalonamento da terapia quando as intervenções no estilo de vida não produzem perda de peso significativa entre pacientes com obesidade. Mas, a mudança de estilo de vida deve sempre ser feita antes de iniciar as medicações

A medicação antiobesidade é geralmente recomendada para indivíduos com índice de massa corporal (IMC) de 30 ou mais ou entre aqueles com IMC de 27 ou mais e comorbidade relacionada à obesidade. As opções cirúrgicas são recomendadas para indivíduos com IMC igual ou superior a 40 ou entre aqueles com IMC igual ou superior a 35 e comorbidade relacionada à obesidade. Estas diretrizes são para a população geral de adultos com sobrepeso e obesidade.

Para a população em geral, as comorbidades relacionadas à obesidade geralmente incluem condições como hipertensão, diabetes, dislipidemia, apneia obstrutiva do sono e doença cardiovascular. Em geral, uma avaliação de comorbidade relacionada à obesidade é baseada em se a obesidade é um fator de risco modificável importante para a condição e se a condição está associada ao aumento da morbidade ou mortalidade.

Várias complicações da gravidez têm obesidade como um fator de risco modificável associado (por exemplo, parto cesáreo e bebê grande para a idade gestacional) ou estão associadas a doenças cardiovasculares (por exemplo, restrição de crescimento intrauterino, parto prematuro e bebê pequeno para a idade gestacional).

evidências sugerindo que a perda de peso antes e durante a gravidez (com tratamentos médicos e cirúrgicos) pode reduzir significativamente o risco de complicações incidentes e recorrentes, como hipertensão gestacional e pré-eclâmpsia.

Além disso, como várias complicações gestacionais estão associadas a fatores de risco cardiovascular (por exemplo, hipertensão crônica e diabetes crônico), bem como doença cardiovascular evidente, a perda de peso entre a gravidez pode reduzir o risco direto e indireto de doença cardiovascular, independentemente da decisão de tentar futuras gestações. 

As intervenções no estilo de vida continuam a ser a base da terapia para todas as pessoas com obesidade e devem sempre continuar em combinação com medidas destinadas a atingir um peso saudável. No entanto, na ausência de perda significativa de peso com o início de intervenções abrangentes no estilo de vida, a intensificação da terapia deve ser considerada.

LEIA TAMBÉM: Quer emagrecer? Conheça uma dica bem fácil que vai te ajudar!

LEIA TAMBÉM: 3 maneiras fáceis para você começar a comer melhor

A medicação para o tratamento da obesidade deve ser interrompida se ocorrer gravidez para prevenir resultados adversos na prole. As pacientes devem notificar o médico se planejam engravidar, de modo que a medicação antiobesidade possa ser interrompida antes da concepção.

Cirurgia

A cirurgia bariátrica tem a maior eficácia para obter perda de peso sustentada em longo prazo. No entanto, os benefícios potenciais deste procedimento para reduzir complicações gestacionais relacionadas à obesidade devem ser balanceados contra os riscos de curto e longo prazo associados ao procedimento, que variam para banda gástrica ajustável, gastrectomia vertical e bypass gástrico em Y de Roux, e incluem complicações como trombose venosa profunda pós-operatória, disfagia, refluxo gastroesofágico, obstrução do intestino delgado, síndrome de dumping, hipoglicemia, deficiências nutricionais e recuperação de peso.

Embora os métodos de má absorção (por exemplo, bypass gástrico) estejam associados a maiores deficiências de nutrientes que poderiam afetar o feto em crescimento, não há evidência suficiente para recomendar métodos cirúrgicos bariátricos restritivos (por exemplo, banda gástrica ou gastrectomia vertical) como a estratégia preferida para mulheres em idade reprodutiva. Também não há consenso sobre o momento ideal para conceber após a cirurgia bariátrica, mas a recomendação geral é esperar 12 meses na tentativa de evitar a concepção durante o período de rápida perda de peso que ocorre nos primeiros meses após a cirurgia bariátrica. 

LEIA TAMBÉM: Por que é mais difícil para as mulheres perderem peso? Saiba o que fazer!

LEIA TAMBÉM: O que acontece com a gordura quando você emagrece?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.