Os perigos da pressão alta

Os perigos da pressão alta
5 (100%) 2 votes

 

pressao-alta-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular
A prevalência da hipertensão entre homens e mulheres é a mesma, contudo essa condição tem relação direta com excesso de peso, sedentarismo e estresse.

A hipertensão arterial sistêmica é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial. Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou estruturais dos órgãos-alvo (coração, cérebro, rins e vasos sanguíneos) e a alterações metabólicas, com consequente aumento do risco de eventos cardiovasculares fatais e não fatais.

De acordo com o cirurgião vascular Dr. Daniel Benitti, que atende em Campinas e em São Paulo, a pressão alta é considerada um dos principais fatores de risco modificáveis e um dos mais importantes problemas de saúde pública.

A hipertensão arterial divide-se em dois modos:

1. Hipertensão arterial primária ou essencial: com causa desconhecida, mas com relação direta e linear com a idade, sendo a prevalência superior a 60% na faixa etária acima de 65 anos;

LEIA TAMBÉM: Sistema circulatório: riscos e cuidados após os 60 anos

2. Hipertensão arterial secundária: ocorre devido a uma doença identificável, sendo que a principal causa secundária é a hipertensão renovascular.

A prevalência da hipertensão entre homens e mulheres é a mesma, contudo essa condição tem relação direta com excesso de peso, sedentarismo e estresse. “Pessoas muito estressadas apresentam altos níveis de catecolaminas e tendem a ter uma pressão arterial mais elevada, além de um risco maior de doenças cardiovasculares”, explica Dr. Daniel Benitti.

Segundo ele, na vida adulta, mesmo entre indivíduos fisicamente ativos, o incremento de 2,4 kg/m2 no índice de massa corporal (IMC) acarreta maior risco de desenvolver a pressão alta. “Também é importante lembrar que a ingestão excessiva de sódio, infelizmente muito comum entre os brasileiros, é correlacionada à elevação da pressão arterial”, alerta.

Controlando a hipertensão arterial

Para o controle da pressão alta existe o tratamento medicamentoso e o não medicamentoso. De acordo com o cirurgião vascular Dr. Daniel Benitti, ele deve ser iniciado sempre sem a intervenção de remédios.

LEIA TAMBÉM: Pés podem dar sinais de obstrução nas artérias

LEIA TAMBÉM: Secagem de vasinhos

LEIA TAMBÉM: Laser varizes

Não medicamentoso:

1. Perda de peso: a relação entre o aumento de peso e a pressão arterial é quase linear, sendo observada em adultos e adolescentes. Com isso, é essencial que haja a perda de peso e da circunferência abdominal. “Deve-se buscar um IMC menor que 25 e circunferência abdominal abaixo de 102 cm para os homens e menor que 88 cm para as mulheres. A cirurgia bariátrica é indicada para pacientes hipertensos com obesidade moderada ou grave (Nível de evidência 1A)”, recomenda o Dr. Daniel Benitti.

circunferencia-abdominal-pressao-alta-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular
Deve-se buscar uma circunferência abdominal abaixo de 102 cm para os homens e menor que 88 cm para as mulheres.

2. Dieta: é necessário seguir uma dieta pobre em sódio e rica em frutas, hortaliças, fibras, minerais e laticínios com baixos teores de gordura.

3. Atividade física: os exercícios aeróbios (isotônicos), que devem ser complementados pelos resistidos, promovem reduções da pressão arterial, estando indicados para a prevenção e o tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Segundo o Dr. Daniel Benitti, todo adulto deve realizar, pelo menos cinco vezes por semana, 30 minutos de atividade física moderada de forma contínua ou acumulada.

Medicamentoso:

O objetivo primordial do tratamento da hipertensão arterial é a redução da morbidade (conjunto de causas capazes de produzir uma doença) e da mortalidade cardiovascular. Assim, os anti-hipertensivos devem não só reduzir a pressão arterial, mas também os eventos cardiovasculares fatais e não fatais. Estudos indicam que há redução de morbidade e mortalidade com diuréticos, betabloqueadores, inibidores da enzima conversora da angiotensina (IECA), bloqueadores do receptor AT1 da angiotensina e antagonistas dos canais de cálcio.

Segundo o Dr. Daniel Benitti, qualquer medicamento dos grupos de anti-hipertensivos comercialmente disponíveis, desde que resguardadas as indicações e contraindicações específicas, pode ser utilizado para o tratamento da hipertensão arterial.

“É importante salientar que, quanto menos comprimidos e doses um paciente precisa tomar por dia, maior a sua aderência ao tratamento. Além disso, quando já estão sendo utilizados pelo menos dois medicamentos, o uso de um diurético é fundamental”, finaliza.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

12 comments to “Os perigos da pressão alta”

Deixe seu Comentário or Trackback this post.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.