Por que o seu cabelo continua caindo e as suas unhas estão quebradiças se você está tomando vitaminas e colágeno?

Por que o seu cabelo continua caindo e as suas unhas estão quebradiças se você está tomando vitaminas e colágeno?
5 (100%) 10 votes

 

queda-de-cabelo-causas-tratamento-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
A queda de cabelo é multifatorial. (imagem i2.wp)

 

A queixa de queda de cabelos e unhas quebradiças é muito comum entre as mulheres, principalmente nas que apresentam Lipedema.

Diante desse cenário, comumente elas vão à farmácia ou internet e compram vitaminas ou colágeno para cabelo. No entanto, muitas vezes essa medida não tem efeito algum.

LEIA TAMBÉM: Por que é importante deixar as unhas sem esmaltes, principalmente no Verão?

LEIA TAMBÉM: Micose de unha tem tratamento?

Causas

A queda de cabelo é multifatorial. Hoje, a principal causa é o estresse. Além disso, existem outros fatores que contribuem para a queda de cabelo, como:

  • Gravidez e pós parto;
  • Medicação, como antidepressivos;
  • Alterações hormonais, como uso de testosterona;
  • Anemia;
  • Hipotireoidismo;
  • Ferritina baixa.

Nenhuma dessas causas melhoram com vitaminas para cabelo. Por isso, o ideal é procurar ajuda médica para fazer uma investigação da real causa da queda de cabelo e, assim, tratar da melhor forma possível.

Ferritina baixa

A ferritina baixa é uma causa muito prevalente de queda de cabelo e unhas quebradiças. Infelizmente, ela é pouco investigada e muito comum nas mulheres com Lipedema.

“As mulheres com Lipedema apresentam uma inflamação crônica do tecido adiposo nas pernas. As inflamações crônicas fazem cair o nível de ferritina no sangue, causando queda de cabelo, unhas quebradiças e fraqueza. O nível de ferritina deve ser mantido acima de 60 para ter um cabelo saudável. Contudo, os consensos mais recentes consideram o valor de 70. Se a ferritina não fica acima desses números, o cabelo e a unha não têm energia para ficarem saudáveis, pois a ferritina auxilia no transporte de oxigênio para energia e crescimento”, explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo e em Campinas

LEIA TAMBÉM: Magra com pernas gordas? Você deve ter Lipedema!

LEIA TAMBÉM: Lipedema não é obesidade, mas acomete 11% das mulheres

LEIA TAMBÉM: Lipedema pode atrapalhar a vida sexual

A ferritina é uma proteína que armazena ferro para o corpo usar conforme necessário. Muitas partes do corpo contêm ferritina, incluindo o baço, fígado, sangue e folículos capilares. Quando uma pessoa tem uma baixa contagem de ferritina, ela também terá baixo teor de ferro.

O ferro desempenha um papel vital em muitos processos corporais essenciais. Sem ele o corpo não pode criar glóbulos vermelhos suficientes.

Os glóbulos vermelhos transportam oxigênio pelo corpo. Quando há menos glóbulos vermelhos disponíveis, o corpo tem dificuldade em transportar oxigênio para os vários órgãos e tecidos. Isso pode causar uma série de problemas, principalmente nos cabelos e unhas, pois têm crescimento constante.

Além disso, quando o corpo está com pouco ferro, ele “rouba” a ferritina armazenada nos folículos capilares para uso em outras partes. Os níveis reduzidos de ferritina nos folículos capilares enfraquecem o próprio cabelo e leva à perda do mesmo.

O ferro é um nutriente essencial, o que significa que o corpo não pode produzi-lo e deve obtê-lo inteiramente através da dieta. Pessoas que não comem muitos alimentos ricos em ferro podem estar em risco de ter baixos níveis de ferritina.

A dieta é apenas uma causa dos baixos níveis de ferro. Outras podem incluir:

  • Fluxo menstrual aumentado;
  • Inflamação crônica, como Lipedema;
  • Perda significativa de sangue;
  • Gravidez;
  • Hipertireoidismo;
  • Doença celíaca ou intolerância ao glúten.

Tratamentos

Quando um médico diagnostica baixos níveis de ferritina, normalmente aconselha a pessoa a ajustar a dieta e tomar um suplemento até que os níveis normalizem. Em casos que a ferritina está muito baixa ou se não houver melhora com medicação por boca, é necessário fazer infusão intravenosa de ferro.

Se a perda de cabelo estiver diretamente relacionada aos baixos níveis de ferro e ferritina, o aumento da ingestão de ferro deve reabastecer a ferritina nos folículos capilares, proporcionando cabelos mais saudáveis. Quando isso ocorre, pode iniciar o uso de vitaminas e colágeno para os cabelos e unhas.

No entanto, aumentar os níveis de ferritina não aumentará o crescimento do cabelo em indivíduos saudáveis com níveis normais de ferro e ferritina.

Além queda capilar, uma pessoa com baixos níveis de ferritina pode sofrer outras alterações nos cabelos.

“Os cabelos podem se tornar mais finos, mais fracos e mais propensos a quebrar ou podem perder os cachos naturais. Algumas pessoas dizem que sentem como se os cabelos parassem de crescer. A reposição de ferro irá corrigir isso também. No entanto, o cabelo cresce lentamente, por isso pode levar um tempo até que novos e saudáveis cresçam novamente”, alerta o Dr. Daniel Benitti. 

É importante ressaltar que tomar muito ferro ao mesmo tempo ou por um período prolongado pode causar problemas, mesmo em pessoas com níveis mais baixos de ferro.

Isso acontece por que o ferro é um oxidante, o que significa que pode reagir com outras moléculas do corpo. Excesso de ferro no organismo pode levar a problemas graves no fígado e em outros órgãos. Com o tempo, isso pode levar à falência de órgãos ou até à morte.

Por isso, procure ajuda médica e não faça automedicação!

LEIA TAMBÉM: Yoga: por que começar a fazer, principalmente se você tiver Lipedema?

LEIA TAMBÉM: O que comer para aliviar a dor? Isso inclui pacientes com Lipedema, artrite e fibromialgia

LEIA TAMBÉM: Plataforma vibratória melhora a celulite e o Lipedema

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.