respiracao-diafragmatica-ansiedade-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas

Saiba como fazer a respiração diafragmática que melhora a ansiedade

Saiba como fazer a respiração diafragmática que melhora a ansiedade
5 (100%) 5 votes

 

respiracao-diafragmatica-ansiedade-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
A respiração diafragmática diminui o batimento cardíaco, estabiliza a pressão sanguínea e reduz a ansiedade.

 

O diafragma é um músculo em forma de cúpula na base dos pulmões que desempenha um papel importante na respiração. Quando você inspira, o diafragma se contrai (aperta) e se move para baixo. Isso cria mais espaço na cavidade torácica, permitindo a expansão dos pulmões. Quando você expira, acontece o contrário – o diafragma relaxa e se move para cima na cavidade torácica.

Todos nós nascemos com o conhecimento de como envolver completamente o diafragma para respirar fundo e de forma relaxante. Porém, à medida que envelhecemos, deixamos esse hábito. Tudo, desde o estresse da vida cotidiana, até o aumento da barriga, nos encoraja a mudar gradualmente para uma “respiração torácica” mais rasa e menos eficiente. Dessa forma, aprender a respirar pelo diafragma é vantajoso para todos.

A respiração diafragmática (também chamada de “respiração abdominal”) incentiva a troca completa de oxigênio, ou seja, o comércio benéfico do oxigênio recebido pela saída de dióxido de carbono. Com isso, esse tipo de respiração diminui o batimento cardíaco, estabiliza a pressão sanguínea e reduz a ansiedade.

“Mesmo sendo um movimento tão natural e simples, a respiração não recebe a devida atenção. A respiração diafragmática exerce efeitos benéficos na atividade linfática do corpo, ajudando no tratamento de quem tem lipedema, diminuindo a ansiedade e auxiliando no tratamento de doenças crônicas do pulmão. Quanto mais superficial e rápido respiramos, mais ar fica nos pulmões e o diafragma se movimenta menos, isso faz com que ele enfraqueça e funcione com menos eficiência”, explica e alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo e em Campinas

Uma respiração eficiente, além de facilitar a troca de ar, causa alterações de pressão na cavidade abdominal e torácica, que auxiliam o fluxo linfático no corpo, funcionando como um coração dos linfáticos, que, por sua vez,  auxiliam na retirada de impurezas do corpo e no sistema imunológico.

LEIA TAMBÉM: Alimentação adequada pode tratar a ansiedade

LEIA TAMBÉM: Interagir e ajudar as pessoas melhora a ansiedade

LEIA TAMBÉM: Yoga: por que começar a fazer, principalmente se você tiver lipedema?

Como fazer a respiração diafragmática

  1. Deite-se de costas em uma superfície plana (ou na cama) com os joelhos dobrados. Você pode usar um travesseiro embaixo da cabeça e dos joelhos, se for mais confortável.
  2. Coloque uma mão na parte superior do tórax e a outra na barriga, logo abaixo da caixa torácica.
  3. Inspire lentamente pelo nariz, deixando o ar entrar profundamente, em direção à parte inferior da barriga. A mão no seu peito deve permanecer imóvel, enquanto a mão na sua barriga deve subir.
  4. Aperte os músculos abdominais e deixe-os cair para dentro enquanto expira pela boca. A mão na sua barriga deve descer para sua posição original.
  5. Faça a inspiração durante 5 segundos, prenda o ar durante 5 segundos e solte o ar durante 5 segundos.

Você também pode praticar sentada em uma cadeira, com os joelhos dobrados e os ombros, cabeça e pescoço relaxados.  Faça isso por cinco a 10 minutos e você já sentirá diferença!

LEIA TAMBÉM: Por que ter um médico de confiança?

LEIA TAMBÉM: A importância do check-up vascular

LEIA TAMBÉM: O que o angiologista e cirurgião vascular trata?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.