dispositivos-saude-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas

Saúde digital: a necessidade de avaliar benefícios, riscos e valor

 

dispositivos-saude-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
Registros médicos eletrônicos, aplicativos móveis de saúde e dispositivos vestíveis e sensores contribuem para um fluxo crescente de dados digitais de saúde.

 

Saúde digital é um amplo espectro de tecnologias de medição que incluem dispositivos pessoais vestíveis e dispositivos internos, bem como sensores em pessoas, casas, carros e comunidades. Ela pode ajudar a identificar riscos à saúde e auxiliar no diagnóstico, tratamento e monitoramento das condições de saúde e doença e oferece novas maneiras de capturar dados contínuos sobre indivíduos e populações que complementam os dados episódicos sobre indivíduos capturados pelas abordagens atuais de assistência médica. Com isso, a saúde digital tem potencial para melhorar o gerenciamento da saúde, mas o estado atual de desenvolvimento e implantação de tecnologia exige uma nota de advertência de “cuidado ao comprador”.

As tecnologias digitais podem aumentar a capacidade de melhorar a saúde por meio de três modalidades:

  • comunicação de dados aprimorada
  • miniaturização
  • descentralização de dispositivos

Registros médicos eletrônicos, aplicativos móveis de saúde e dispositivos vestíveis e sensores contribuem para um fluxo crescente de dados digitais de saúde. Para fornecer aplicativos de saúde significativos, esses dados requerem formatos padronizados de alta qualidade, comunicações contínuas e integração entre sistemas de tecnologia de informação de saúde. Padrões foram desenvolvidos para permitir que os sistemas de saúde utilizem mais aplicativos e que os desenvolvedores de tecnologia alcancem um público mais amplo.

“As tecnologias digitais de saúde comumente usadas funcionam por meio de biossensores miniaturizados incorporados a algum dispositivo físico, como um relógio. Muitos dispositivos digitais de saúde buscam substituir ou melhorar os dispositivos médicos tradicionais, como monitores Holter ou outras tecnologias de medição de sinais vitais. Por exemplo, a fibrilação atrial pode ser detectada por relógios inteligentes que medem a frequência e o ritmo cardíacos. Mas, é importante que médicos e pacientes entendam que, embora esses dispositivos possam oferecer tempos de monitoramento mais longos, eles têm menos fidelidade de sinal, resultando em diagnósticos falso-positivos que podem incorrer em despesas adicionais e ansiedade. Por exemplo, um estudo recente mostrou um excesso de diagnóstico e levantou muitas dúvidas e preocupações sobre a monitorização de rotina para arritmias em pessoas saudáveis e assintomáticas. As mulheres com Lipedema, por exemplo, sentem muita descarga adrenérgica no coração que pode ser confundida com arritmia e ser tratada incorretamente”, alerta o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular especialista em Lipedema, que atende em São Paulo, Campinas e a distância. 

As ferramentas digitais de saúde devem passar pelos mesmos testes rigorosos que outros aparelhos médicos, dispositivos e terapias são submetidos antes da adoção generalizada. As tecnologias digitais de saúde requerem padrões e um processo de avaliação antes da implementação.

Para medições usadas na prática da fisiologia humana, o dispositivo deve ter validade analítica comprovada, ou seja, pode medir de forma reprodutível o que pretende, sem variação significativa entre as medidas . O dispositivo de medição também deve ter validade clínica comprovada, ou seja, mede a verdade clínica (o que o dispositivo mede é semelhante a um padrão estabelecido, como um oxímetro de pulso).

É importante compreender que os dispositivos digitais de saúde devem ser aprovados ou liberados por uma agência reguladora como ANVISA e FDA. Os dispositivos aprovados foram estudados clinicamente e determinados a fornecer benefícios que superam quaisquer riscos correspondentes. Dispositivos liberados precisam apenas demonstrar “equivalência substancial” a um dispositivo já aprovado para a mesma indicação (por exemplo, monitores de ritmo cardíaco em relógios inteligentes). Essa barra inferior fornece uma entrada rápida no mercado para inovadores, mas não leva em consideração a qualidade do dispositivo predicado escolhido, portanto, recomenda-se cautela, especialmente porque a imprensa leiga pode usar esses termos de maneira incorreta e intercambiável.

A inovação tecnológica geralmente vem com um novo conjunto de considerações e desafios éticos. As tecnologias digitais de saúde não são diferentes. As questões de política para saúde digital precisarão ser tratadas conforme a adoção acelera. Provavelmente, a questão mais importante é a quantidade sem precedentes de informações sobre os usuários que são capturadas pela saúde digital e as necessidades concorrentes de cibersegurança e privacidade,  riscos que se amplificam geometricamente com o aumento das capacidades de monitoramento e vigilância. Além dos riscos potenciais familiares, como roubo de identidade, as ferramentas digitais de saúde carregam uma série de riscos ocultos. Dispositivos habilitados para acelerômetro e sistema de posicionamento global (GPS) rastreiam a marcha, a contagem de passos e o exercício, mas também transmitem dados detalhados de localização física por meio de redes sem segurança. Foi demonstrado que o roubo desses dados pode levar a roubos e rastreamento físico por perseguidores (stalkers).

A comunicação habilitada pelo assistente virtual pode ajudar pessoas com deficiência ou idosos, mas é impossível determinar o que está realmente gravado ou filmado e com quem esses dados estão sendo compartilhados. Mais preocupante é como esses riscos se amplificam geometricamente. A “superfície de ataque”, a soma de possíveis exposições a ameaças cibernéticas, é calculada adicionando todos os dispositivos de computação que uma pessoa usa, as contas que usa em cada dispositivo e o número de redes que usa.

“É importante compreender os efeitos potenciais dos incidentes cibernéticos na segurança do paciente. Tivemos recentemente ataques em hospitais de São Paulo que tiveram de suspender os atendimentos e tratamentos. Muitas sessões de quimioterapia e radioterapia tiveram de ser suspensas devido a estes ataques cibernéticos. Quantificar os danos da interrupção do atendimento é complexo. Devemos tomar muito cuidado, pois poderemos ver, em um futuro próximo, ataques cibernéticos sem a presença de um hacker”, enfatiza o Dr. Daniel Benitti. 

Compreender o valor total da saúde digital provavelmente será bastante desafiador. Em primeiro lugar, a variedade de ferramentas digitais de saúde está se expandindo rapidamente de forma que torna difícil o discernimento geral de valores. Algumas ferramentas trazem conveniência, outras trazem novos recursos; ambos são valiosos, mas difíceis de quantificar devido à falta de comparadores. As suas informações de saúde são muito valiosas, por isso o sigilo médico é muito importante. Fique atenta a política de privacidade destes dispositivos, muitas vezes a mercadoria que está à venda é a sua informação.

Alguns relatos de casos sugerem que a saúde digital está fornecendo novos diagnósticos e oportunidades de tratamento que de outra forma não seriam realizados. Para esses pacientes, há valor. Mas, para justificar o uso onipresente de novas ferramentas digitais de saúde serão necessários ensaios clínicos para demonstrar a utilidade e uma política de privacidade e segurança de dados muito rígida.

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.