Varizes Pélvicas

 

varizes-pelvicas-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-campinas
Cerca de 10% das pacientes que apresentam varizes nas pernas possuem varizes pélvicas, que causam refluxo para os membros inferiores, gerando sintomas. Este número aumenta para até 40% se a mulher teve três ou mais gestações.

 

Para um cirurgião vascular, não há nada mais gratificante do que tratar uma paciente com uma doença venosa sintomática e transformá-la em uma pessoa assintomática. Por outro lado, não há nada mais frustrante do que tratar uma paciente e ela não apresentar nenhuma melhora após o tratamento, com persistência dos sintomas ou recorrência precoce das varizes.

Esta segunda situação é MUITO comum na clínica de um cirurgião vascular. A origem da doença venosa é comumente ignorada, principalmente quando ela não está nas pernas, e sim na pélvis, o que denominamos como varizes pélvicas.

A falha no diagnóstico pode levar a um tratamento ineficiente e potencialmente desnecessário. Além disso, mesmo quando as varizes pélvicas são identificadas, o manejo e as formas de tratamento podem, ainda, serem desconhecidos para a maioria dos médicos.

Cerca de 10% das pacientes que apresentam varizes nas pernas possuem varizes pélvicas, que causam refluxo para os membros inferiores, gerando sintomas. Este número aumenta para até 40% se a mulher teve três ou mais gestações! Com esses dados vemos que, em muitas mulheres, a causa das varizes nas pernas tem origem pélvica.

LEIA TAMBÉM: Perguntas frequentes sobre varizes

LEIA TAMBÉM: Varizes na gravidez

LEIA TAMBÉM: Mitos e verdades sobre as varizes

Sintomas

Os sintomas típicos das varizes pélvicas são:

  • Dor pélvica crônica;
  • Dispareunia (dor na relação sexual);
  • Dismenorréia (dor ao menstruar);
  • Urgência miccional (sente vontade de urinar, contudo sai pouca urina);
  • Varizes em região glútea e próxima à genitália.

LEIA TAMBÉM: Por que as varizes vão além da questão estética?

LEIA TAMBÉM: Secagem de vasinhos

LEIA TAMBÉM: Laser varizes

Diagnóstico

O exame de ultrassom doppler pode detectar as veias dilatadas e a origem do refluxo. No entanto, algumas vezes é difícil a visualização das veias pelo abdômen. Nesses casos utiliza-se o ultrassom doppler transvaginal. Além disso, também é possível solicitar a angiotomografia, a ressonância nuclear magnética e a flebografia, sendo a última considerada o “padrão ouro” para o diagnóstico, porém utilizada apenas quando será realizado o tratamento, já que é um exame invasivo.

LEIA TAMBÉM: A importância do check-up vascular

Tratamento

O tratamento das varizes pélvicas pode ser realizado com o uso de medicações que visam melhorar os sintomas da congestão local. Outra opção e mais usual é a embolização percutânea das varizes pélvicas, que consiste em uma cirurgia endovascular, minimamente invasiva. Nela são inseridos cateteres e guias pela virilha, braço ou pescoço da paciente, pelos quais as veias dilatadas e insuficientes que geram as varizes são cateterizadas e ocluídas com a utilização de molas e agentes esclerosantes. Desse modo, a drenagem do sangue é alterada para as veias saudáveis. Neste tipo de procedimento, normalmente o paciente retorna para casa no mesmo dia ou no dia seguinte.

LEIA TAMBÉM: Laser para varizes e vasinhos

Quando a causa das varizes pélvicas é por compressão das veias, também pode-se realizar o tratamento endovascular. Através da virilha, são introduzidos cateteres e guias que irão ultrapassar a área de compressão e depois são colocados stents que irão manter a veia aberta, restabelecendo um fluxo sanguíneo adequado e, dessa forma, tratando as varizes.

Cirurgião vascular Dr. Daniel Benitti, que atende em Campinas, à Rua José Paulino, 2233 – Vila Itapura, e em São Paulo, à Rua Oscar Freire, 2250 – T9/T10.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

2 comments to “Varizes Pélvicas”

Deixe seu Comentário or Trackback this post.

  1. Laudelina - 2 de julho de 2019 at 15:18 Reply

    Sou portadora de marca passo faço uso de marevan e tenho muitas varizes calibrozas e até pélvica incomoda muito gostaria de saber se posso fazer aplicação de espuma

  2. Dr Daniel Benitti - 5 de julho de 2019 at 19:22 Reply

    Boa tarde. O ideal seria passar por uma avaliação. O CRM não permite qualquer tipo de orientação que não seja presencial.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.