Você toma remédio para colesterol? Veja o que você precisa saber sobre o risco de diabetes

 

estatinas-colesterol-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-campinas
O risco de um paciente que faz uso da estatina desenvolver diabetes é 46% maior do que aquele que não utiliza. (imagem cardiopapers)

 

Os remédios para baixar o colesterol (estatinas) ajudam a diminuir o risco de infarto nas pessoas que apresentam propensão para doenças coronarianas. Contudo, segundo o cirurgião vascular Dr. Daniel Benitti, que atende em Campinas e em São Paulo, eles não são livres de efeitos colaterais. “É necessário um acompanhamento rigoroso com um médico de confiança para monitoramento de exames de sangue que, se alterados, podem demostrar que o corpo não está tolerando bem a medicação, e para identificar qualquer possível efeito colateral, como dor muscular, por exemplo.”, esclarece.

LEIA TAMBÉM: A importância do check-up vascular

LEIA TAMBÉM: Cuidado! Muitas doenças vasculares são silenciosas

LEIA TAMBÉM: 50% dos pacientes com doença arterial obstrutiva periférica são assintomáticos

Estudos recentes mostram que é muito importante o manejo da diabetes nos pacientes que tomam estatinas. Segundo dados publicados na revista Diabetologia, o risco de um paciente que faz uso desse medicamento desenvolver diabetes é 46% maior do que aquele que não o utiliza.

No entanto, isso não é motivo para parar de tomar estatina.

Quando temos uma informação, devemos sempre verificar a fonte e analisá-la como um todo.

As pessoas que desenvolveram diabetes no presente estudo tomando estatinas eram mais velhas, mais obesas e sedentárias, ou seja, exatamente o grupo mais propenso a ter diabetes.

“As estatinas aumentam significativamente a expectativa de vida das pessoas que as utilizam, ao diminuir o risco de infarto. Porém, todo remédio que eleva o tempo de vida, também aumenta a chance de desenvolver uma doença crônica, como diabetes.”, alerta o Dr. Daniel Benitti.

LEIA TAMBÉM: Diabetes, a doença mais mal tratada do país

LEIA MAIS: Aterosclerose

LEIA MAIS: Dislipidemia

Além disso, é importante ressaltar que, se as pessoas que fazem uso das estatinas não mudarem o estilo de vida, o tratamento não terá o efeito desejado e outras doenças poderão surgir.

Algumas mudanças fundamentais:

  • Atividade física regular, com meia hora por dia de caminhada;
  • Dieta balanceada com consumo adequado de calorias e nutrientes;
  • Controle do peso. O ideal é manter um IMC (Altura/Peso x Peso) entre 18,5 e 25.

As pessoas precisam lembrar que nenhum remédio é milagroso e que elas SEMPRE fazem parte do tratamento. Ou seja, é essencial se consultar com um médico que esteja comprometido, mas também é imprescindível cuidar diariamente da própria saúde com responsabilidade e comprometimento.

“Ao cuidar da saúde vascular, o papel do paciente é fundamental e ele deve estar preparado para ter mudanças em sua vida. Caso contrário, é o mesmo que receitarmos remédios para gastrite e para dormir para uma pessoa que está extremamente estressada e brigando com todos a sua volta. O medicamento nunca terá o efeito desejado.”, ressalta o Dr. Daniel Benitti.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.