fumar-cigarro-piora-dor-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas

Cigarro piora as dores crônicas, inclusive do Lipedema

 

fumar-cigarro-piora-dor-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
Quase todo mundo sabe que fumar pode causar câncer, doenças pulmonares e cardiovasculares, mas nem todos percebem que esse hábito pode piorar a dor.

 

Muitas pessoas acreditam que fumar cigarro, além de reduzir o estresse, ajuda a melhorar as dores. No entanto, o alívio da dor induzida pela nicotina é de curto prazo. Além disso, com o tempo, fumar pode piorar a dor.

Quase todo mundo sabe que fumar pode causar câncer, doenças pulmonares e cardiovasculares, mas nem todos percebem que esse hábito pode piorar a dor. Os fumantes têm quase três vezes mais chances de ter dores na parte inferior das costas. Além disso, fumar também pode agravar as dores abdominais, nas articulações e na gordura do Lipedema. Na verdade, fumar pode aumentar a sensibilidade à dor em geral.

LEIA TAMBÉM: O que comer para aliviar a dor?

Embora o Brasil venha reduzindo o número total de fumantes (caiu 38% entre 2006 e 2019), dados da pesquisa Vigitel, do Ministério da Saúde, apontam que 9,8% dos brasileiros ainda têm o hábito de fumar, o que representa aproximadamente 22 milhões de pessoas. Além disso, os fumantes representam mais de 50% dos pacientes que procuram tratamento para dor.

“A nicotina do tabaco pode induzir o corpo a se sentir bem no início, pois ele desencadeia a liberação de substâncias químicas, como a dopamina, que emitem uma sensação de recompensa satisfatória. É parte do que torna o fumo tão viciante. Mas, esse mesmo tabaco também prejudica o fornecimento de sangue rico em oxigênio aos ossos e tecidos. A diminuição do fluxo sanguíneo e de nutrientes pode causar degeneração, principalmente nos discos da coluna e articulações, e na gordura do Lipedema, que já apresentam fluxo sanguíneo mais limitado. O resultado pode ser dor e piora da inflamação a longo prazo”, alerta o Dr. Daniel Benitti, médico cirurgião vascular especialista em Lipedema, que atende em São Paulo, Campinas e a distância.

Outros malefícios do cigarro

O tabagismo também é associado à fadiga e à cura mais lenta, fatores que tornam as condições dolorosas mais proeminentes. Os pesquisadores estão explorando ainda mais razões fisiológicas pelas quais fumar faz as pessoas com fibromialgia, artrite e outras dores crônicas sentirem ainda mais dor.

LEIA TAMBÉM: Como conviver com uma doença crônica?

Para piorar as coisas, quando os fumantes sofrem de dores debilitantes, os tratamentos podem não funcionar ou ter efeito reduzido, pois as medicações chegam menos em locais com aporte sanguíneo menor e o sistema imunológico funciona de forma reduzida nos tabagistas.

As pessoas ainda acreditam que o cigarro ajuda a lidar com a dor, ansiedade ou estresse, mas existem maneiras mais saudáveis de se fazer isso. O cigarro somente causa malefícios ao corpo, por isso, suspender o uso é fundamental para melhora da saúde.

Alerta sobre o cigarro

Em um estudo compararam as pessoas que fumam e fazem atividade física regular, dieta balanceada e se mantém no peso ideal com pessoas obesas, sedentárias, com dieta irregular, mas que não fumam. Eles verificaram que as pessoas que não fazem nada certo, mas não fumam têm um risco de desenvolver doenças cardiovasculares MENOR que as pessoas que fumam. Assustador não?!

O cigarro é o pior fator para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares!

Caso você fume, procure ajuda especializada para parar de fumar.

LEIA TAMBÉM: 5 dicas para parar de fumar

LEIA TAMBÉM: Cigarro: o mal que mata mais que o dobro do coronavírus todos os anos

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.