Micose de unha tem tratamento?

Micose de unha tem tratamento?
5 (100%) 2 votes

 

onicomicose-micose-unha-dermatologista-campinas-dra-cintia-volpini
Em alguns casos de onicomicose, a unha pode ficar mais espessa e dura, podendo causar dor. Esse aspecto grosso é chamado popularmente de “unha de telha” ou “unha de gavião”.

 

A onicomicose ou micose de unha é uma infecção causada por fungos que se alimentam da queratina (proteína que forma a maior parte das unhas). Normalmente, as dos pés são mais afetadas do que as das mãos. Isso acontece porque eles geralmente possuem as condições ideais para o crescimento dos fungos: são mais úmidos devido ao suor, escuros e quentes.

Clinicamente, a onicomicose pode se manifestar de diversas formas. Uma das mais comuns é o descolamento da borda livre da unha, geralmente iniciando o processo pelos cantos. O espaço fica oco, podendo acumular restos de queratina e bactérias, além dos fungos, deixando um aspecto amarelado ou esbranquiçado.

Porém, nem toda unha que está descolada sofre de micose. Isso pode surgir pelo trauma de sapatos apertados e em pessoas que correm ou praticam esportes de impacto, como tênis e futebol.

Em alguns casos, a unha pode ficar mais espessa e dura, podendo causar dor. Esse aspecto grosso é chamado popularmente de “unha de telha” ou “unha de gavião”. Contudo, nem toda unha com essas características, necessariamente, sofre de micose. Isso pode acontecer, por exemplo, pelo uso de sapatos apertados durante muitos anos.

LEIA TAMBÉM: Por que é importante deixar as unhas sem esmaltes, principalmente no verão?

LEIA TAMBÉM: Como obter mais colágeno e deixar a pele, veias e articulações saudáveis?

LEIA TAMBÉM: Você tem alergia a bijuterias? Descubra as causas e como evitar

LEIA TAMBÉM: Você tem hematomas com facilidade? Quando se preocupar?

Tratamentos

onicomicose-micose-unha-dermatologista-campinas-dra-cintia-volpini
O tratamento deve ser sempre orientado por um dermatologista e nunca com automedicação.

 

Os tratamentos podem ser de uso local, sob a forma de cremes, soluções ou esmaltes. Em caso de acometimentos superiores a 30% da unha, ou de várias unhas ao mesmo tempo, é necessário também o tratamento via oral.

A duração é, em média, de seis meses, podendo chegar a um ano, pois depende do crescimento das unhas, que é lento. Por isso, a persistência é fundamental para o sucesso.

O tratamento deve ser sempre orientado por um dermatologista e nunca com automedicação, pois ela pode mascarar os sintomas.

Importante: é fundamental não interromper o tratamento antes do tempo recomendado pelo médico, mesmo achando que a unha melhorou, pois a infecção ainda pode estar presente. A desistência pode levar a uma “cura” incompleta.

Para consultas com a dermatologista Dra. Cintia Volpini, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.