Astronauta em órbita teve trombose. Entenda por que isso aconteceu!

Astronauta em órbita teve trombose. Entenda por que isso aconteceu!
5 (100%) 2 votes

 

astronauta-trombose-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas
Astronauta realizou um ultrassom das veias do pescoço guiado por radiologistas na terra, que confirmaram o diagnóstico. (imagem: earth.com)

 

Um astronauta que estava há dois meses em órbita na estação espacial ISS (International Space Station) apresentou trombose venosa na veia jugular interna esquerda.

Trombose 

A trombose venosa profunda caracteriza-se por um coágulo de sangue que se forma em veias profundas do corpo, sendo a maioria na perna e no quadril, mas podendo ocorrer em outras partes do corpo. O grande perigo é os trombos se descolarem da parede da veia e seguirem a corrente sanguínea, chegando até os pulmões, situação chamada de embolia pulmonar. Essa condição é muito grave e pode acarretar a morte do indivíduo.

“As pessoas com trombose da veia jugular normalmente apresentam dor de cabeça e vermelhidão no rosto. Mas, esse tipo de trombose é uma condição mais rara e normalmente associada ao uso de cateteres na veia”, explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo e em Campinas.

LEIA TAMBÉM: Você tem algum familiar com trombose? Saiba que algumas causas da doença são hereditárias

LEIA TAMBÉM: Ficar muito tempo em frente à tv e ao computador pode causar trombose

LEIA TAMBÉM: O uso de meia elástica previne complicações da trombose?

Astronauta

Um fato muito interessante no caso do astronauta é que ele próprio fez o diagnóstico. Apesar de não ter apresentado sintomas, ele realizou um ultrassom das veias do pescoço guiado em tempo real por radiologistas na terra, que, por sua vez, confirmaram o diagnóstico. (lembrando que a telemedicina já é uma realidade e pode ajudar em diversas situações, porém ainda não é regulamentada no Brasil)

Como na estação espacial ISS existe medicação anticoagulante para o tratamento de trombose, m mesma foi iniciada após o exame.

A exposição a um ambiente sem peso durante o voo espacial resulta em uma mudança crônica de sangue e fluido tecidual em comparação com a postura vertical na Terra, com consequências desconhecidas para a saída venosa cerebral, pois as veias jugulares não apresentam válvulas e o fluxo de sangue segue o sentido da gravidade na Terra.

Existe um estudo no qual é feito um ultrassom das veias jugulares no astronauta após 50 dias em missão espacial. Além disso, todo astronauta tem retirado o apêndice e a vesícula biliar antes de ir ao espaço para prevenir inflamação destes órgãos, que não poderiam ser tratados em uma missão espacial.

“O estudo de ultrassom doppler das veias jugulares em astronautas revela 55% de estase ou reversão de fluxo nestas veias. Isso provavelmente foi a causa da trombose, pois esse número é muito alto. Com isso, é possível que haja o início de profilaxia de trombose nos astronautas para evitar qualquer tipo de complicação numa mão de obra extremamente cara e especializada”, alerta o Dr. Daniel.

Importante!

A trombose é uma doença grave e com alta mortalidade, mas que tem tratamento e pode ser prevenida. Faça um check-up vascular para saber se você tem risco e procure sempre um cirurgião vascular antes de fazer viagens longas de avião ou qualquer cirurgia.

LEIA TAMBÉM: Trombose é a principal causa de mortes em hospitais

LEIA TAMBÉM: Entenda os abalos psicológicos causados pela trombose

LEIA TAMBÉM: A importância do check-up vascular

LEIA TAMBÉM: O que o angiologista e cirurgião vascular trata?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.