acordar-de-madrugada-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas.jpg

Você sempre acorda de madrugada no mesmo horário?

Você sempre acorda de madrugada no mesmo horário?
5 (100%) 7 votes

 

acordar-de-madrugada-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-sao-paulo-campinas.jpg
Se você acorda e começa a sentir preocupação, ansiedade ou frustração, provavelmente ativou o sistema nervoso simpático. (imagem freepik)

 

Você está em um sono profundo, mas de repente acorda, rola para o lado e vê sempre o mesmo horário no relógio de cabeceira? Saiba que muitas outras pessoas estão fazendo a mesma coisa!

Seja às 3h ou em qualquer outro momento, estes são despertares noturnos regulares. O horário, embora possa ser surpreendentemente previsível e repetitivo, realmente não é significativo.

“Os despertares noturnos são um fenômeno comum e geralmente inofensivo, especialmente se você volta a dormir facilmente. Eles não significam que você tenha um sono ruim ou insônia”, explica o Dr. Daniel Benitti, cirurgião vascular que atende em São Paulo e em Campinas.

Muitas vezes você pode ter tido um motivo para acordar naquele momento, talvez em resposta à apneia do sono ou a um bebê chorando, por exemplo. Ou seja, o seu corpo pode ter ficado condicionado a isso. No entanto, os despertares noturnos podem ser um problema se você tem dificuldade para voltar a dormir.

Quando é um problema?

Se você acorda e começa a sentir preocupação, ansiedade ou frustração, provavelmente ativou o sistema nervoso simpático: seu sistema de luta ou fuga. Quando isso acontece, o cérebro muda do modo de sono para o modo de ativação, a mente pode começar a acelerar e a frequência cardíaca e a pressão arterial podem aumentar. Isso faz com que fique muito mais difícil voltar a dormir.

Essa resposta ao estresse pode levar à insônia, um distúrbio do sono completo.

LEIA TAMBÉM: Dificuldade para dormir? Tente estas dicas antes de tomar remédios tarja preta

LEIA TAMBÉM: Dificuldade para dormir no calor?

LEIA TAMBÉM: Câimbras noturnas

Outra causa

Acordar regularmente à noite também pode ser um sintoma de apneia do sono. Se você tem esse distúrbio, ocasionalmente para de respirar enquanto dorme.

Além de acordá-lo, a apneia do sono pode atrapalhar o ritmo cardíaco e reduzir o fluxo de oxigênio para o corpo, tornando-se um fator de risco para diabetes, pressão alta e doenças cardiovasculares.

“Se a pessoa apresenta ronco, desperta engasgando, assustada, ofegante ou apresenta sonolência e fadiga durante o dia, ela pode ter apneia do sono e deve procurar um médico especialista para investigação e tratamento”, indica o Dr. Daniel Benitti.

Dica

Na próxima vez que você acordar de madrugada, dedique de 15 a 20 minutos para voltar a dormir. Caso isso não ocorra, saia da cama.

O cérebro é altamente associativo e, se permanecermos na cama por um longo período de tempo, quando não estivermos dormindo, ele poderá associar a cama a atividades acordadas, como se preocupar e planejar, em vez de dormir. Sendo assim, sair da cama quebra essa associação.

Nesse momento, faça algo que promova o sono:

  • Pratique a respiração profunda;
  • Medite;
  • Leia algo muito chato;
  • Não use seu celular!
  • E, quando o corpo se acalmar e você sentir sono novamente, volte para a cama.

LEIA TAMBÉM: O uso do celular a noite pode estar acabando com o seu sono

A melhor maneira de acabar com os despertares noturnos é manter um horário constante para acordar, inclusive nos fins de semana e feriados. Além disso, dedique de 30 a 60 minutos antes de dormir para relaxar e preparar o corpo e mente para dormirem. Também está liberado um chazinho relaxante, sem cafeína e cereja, que ajuda muito na produção da melatonina.

LEIA TAMBÉM: Por que ter um médico de confiança?

LEIA TAMBÉM: A importância do check-up vascular

LEIA TAMBÉM: O que o angiologista e cirurgião vascular trata?

Para consulta e agendamento com o Dr. Daniel Benitti em Campinas, ligue para (19) 3233-4123 ou (19) 3233-7911.

Para consultas com o Dr. Daniel Benitti em São Paulo, ligue para (11) 3081-6851.

Caso prefira, entre em contato diretamente com ele via e-mail:

Sobre o Autor: Dr. Daniel Benitti

Médico formado pala Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), com Residência em Cirurgia Geral e em Cirurgia Vascular e Endovascular no Hospital das Clínicas da USP. veja mais aqui

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.